Fórum Água é Vida encerra em Guaíba com plateia lotada

Encerrou no final da tarde o IV Fórum Água é Vida, em Guaíba. Participaram comunidades empresariais, lideranças setoriais, autoridades e convidados, lotando os salões do Auditório Mário Polanczyk, junto à Secretaria de Turismo, Desporto e Cultura de Guaíba, na Rua Coronel Serafim Silva, 123/Centro.

Sob a mediação do jornalista Armando Burd, o evento teve início às 14h30min. A iniciativa é da Rede Pampa, inserida no Projeto RS Sustentável, com apoio do Governo do Estado, Secretaria de Obras, Saneamento e Habitação e Corsan.

A abertura foi do governador José Ivo Sartori, que mencionou o grau de consciência de todos os municípios gaúchos hoje na preservação ambiental. Ele inclusive lembrou do acordo firmado a poucos dias entre o Governo do Estado e o BRDE para a implantação de 91 centrais hidrelétricas, representando 3 bilhões de reais de investimentos, gerando 12 mil empregos. O governador também mencionou a preservação do Rio Guaíba, quando foram feitos os primeiros investimentos, mas também estão sendo dadas atenções  também aos efluentes. O governador mencionou a importância de preservar não ¨para nós mas para a humanidade¨.

As boas vindas à plateia foram dadas pelo prefeito de Guaíba, José Sperotto. Ele fez referência aos 5 bilhões de anos do planeta Terra, hoje com 7,2 bilhões de habitantes, sendo uma necessidade primordial a manutenção da qualidade da água para atender as necessidades de todas as espécies.

O tema central do evento foi Água tratada e mananciais hídricos, fundamentais no desenvolvimento sustentável. Em seguida tomou a palavra Fabiano Pereira, Secretário de Obras, Saneamento e Habitação do RS. ¨E importante dizer que quando se fala em água, se fala em futuro e falar em futuro é falar nas novas gerações.¨ Segundo ele, a Corsan já investiu 52 milhões de reais em Guaíba no último período e mais 38 milhões em obras de esgoto sanitário, somando quase 100 milhões.¨Isso é pensar no futuro.¨

Como palestrante, Flávio Presser, presidente da Corsan, falou do ciclo existente entre água, energia e alimento. Até 2015 ¨seremos 8 bilhões de pessoas no mundo e até 2050, 10 bilhões. Isso traz efeitos¨. Ele mencionou os desafios da Corsan frente a isso e necessidade da segurança hídrica.

Como painelistas, o evento contou com Manuel Salvaterra, presidente do Comitê Lago Guaíba; Clóvis Zimmer, gerente de Qualidade e Meio Ambiente da Celulose Riograndense; Fernando Meirelles, diretor Geral do Departamento de Recursos Hídricos (DRH) e o Professor Carlos André Bulhões Mendes, diretor do Instituto de Pesquisas Hidráulicas – UFRGS.

Um caderno completo sobre o evento estará veiculando no próximo dia 31, no jornal O Sul.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *